Burnout: o trabalho levado ao limite da exaustão

Burnout: o trabalho levado ao limite da exaustão

Like
110
0
Sexta-feira, 17 Fevereiro 2017
Notícias

ssociação de Psicologia de Saúde Ocupacional calcula que 47% dos trabalhadores tenham tido sintomas de exaustão em 2016. Pressão, carga horária e acumular funções contribuem para mais esgotamentos.
Exaustão emocional, fraca realização profissional e elevado cinismo. São os três sintomas chave do burnout, expressão cada vez mais comum – pelos piores motivos – entre os trabalhadores portugueses.

Os dados sobre o número de pessoas em risco ou com diagnóstico de esgotamento profissional “são extremamente preocupantes”, diz ao Jornal Económico o presidente da Associação Portuguesa da Psicologia de Saúde Ocupacional (APPSO), João Paulo Pereira.

Os números não param de subir, pelo menos desde 2008, quando a associação fez o primeiro grande estudo sobre o tema, baseado em inquéritos a quase 40 mil trabalhadores portugueses. Desde então, o barómetro da APPSO tem vindo a medir a evolução do número de situações e constatado que, ano após ano, há sempre um crescimento.

Os dados referentes a 2016 estão prestes a ser publicados pela APPSO, mas João Paulo Pereira antecipa alguns resultados: entre os cerca de 4 mil trabalhadores portugueses inquiridos pela associação, há 47,6% com diagnóstico de burnout. Por outro lado, cerca de 60% estão em risco de sofrer deste distúrbio e 75% estão perto de ter uma perturbação emocional.

O presidente da APPSO explica que, embora em 2016 tenha havido novamente um crescimento, ele não foi tão significativo como nos anos anteriores. O responsável associa o abrandamento no número de casos à mudança política e social, que acabou por trazer “mais confiança e segurança às pessoas”.

“A concordância e estabilidade entre as grandes forças políticas e também as questões em debate no Parlamento, como a redução do horário de trabalho e outras, permitiram que as pessoas começassem a vislumbrar que afinal havia uma certa preocupação com elas e até um reconhecimento”, diz João Paulo Pereira. “Esta situação tem uma influência direta e explica por que motivo em 2016 os números não subiram tanto”, acrescenta.

O peso da carga horária
Falar de exaustão ou de esgotamento profissional é falar de uma componente que todo um manancial por trás. Uma das origens do problema é a carga horária que, no caso dos portugueses, é das maiores da União Europeia. Segundo os últimos dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), em 2015, a média de horas de trabalho de cada português era de 1.868 por ano, um número apenas ultrapassado na União Europeia pela Grécia, Polónia e Letónia. Na Alemanha – o país da OCDE onde se trabalham menos horas – o número é 36% menor do que em Portugal.

“Fazer horas extraordinárias é tão normal em Portugal, que mesmo sendo remuneradas, deixaram de ser sentidas como recompensadoras”, defende João Paulo Pereira.

Todos os estudos mostram que trabalhar mais horas não significa aumentar a produtividade, lembra o presidente da APPSO. “Na maioria dos casos, a exaustão acontece quando não há congruência entre aquilo que a pessoa faz e o sentimento de recompensa social. Não se trata apenas de recompensa remuneratória”, sublinha o especialista. E exemplifica: há trabalhadores da área das tecnologias da informação e comunicação que fazem, em média, 18 ou 19 horas por dia. Ou trabalhadores por conta própria que simplesmente não têm horário.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), do total da população empregada no ano passado, 39,2% (ou seja, 1,8 milhões de pessoas, tinham um horário de trabalho semanal entre 36 a 40 horas, incluindo horas extraordinárias. Mas 19,4%, ou seja, quase 900 mil trabalhavam entre 41 horas ou mais por semana.

O ex-bastonário da Ordem dos Psicólogos, Telmo Batista, que acompanha de perto os casos de burnout salienta, por sua vez, que o problema não tem apenas a ver com o horário de trabalho. “Do ponto de vista clínico, os níveis de stress e de depressão são elevados devido às más condições de trabalho, que se agravaram nos últimos anos”, diz o psicólogo.

A crise fez aumentar o desemprego e, nos locais de trabalho, “muitas pessoas foram obrigadas a acumular as suas funções com as dos trabalhadores que foram dispensados”, afirma Telmo Batista.

Em muitos casos, acrescenta o psicólogo, o problema tem a ver com a organização da empresa ou com a falta dela: “Quando as chefias nos dão pouca autonomia, quando não são claras sobre aquilo que querem e quando há dificuldades na relação entre os trabalhadores e a liderança da equipa, as pessoas sentem-se perdidas”.

Tudo somado, explica Telmo Batista, leva à exaustão física e mental e à baixa produtividade. “Trata-se de um fenómeno cumulativo, contínuo, que provoca um desgaste imenso. Não estamos a falar de picos de trabalho”, esclarece, acrescentando que quando os trabalhadores atingem o limite “deixam de pensar com clareza, de ter força anímica e não conseguem realizar o seu trabalho”.

Para o ex-bastonário, a solução passa sobretudo por atuar ao nível das chefias, onde o número de casos de burnout são elevados. É preciso “educar” os dirigentes para que saibam definir o que é prioritário, confiar noutras pessoas para delegar tarefas e saber comunicar de forma clara aquilo que é pretendido. “Desta forma, liberta-se a pessoa para ter tempo pessoal, que a certa altura está esgotado”, defende o psicólogo.

“Cada vez mais temos profissões altamente qualificadas que insistema na ideia errada de que é preciso dar tudo até ao limite”, afirma, por seu lado o presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina do Trabalho (SPMT), Jorge Barroso Dias. E um gestor que valorize esta dedicação só vai prejudicar tanto a motivação do trabalhador como os resultados para a empresa, acrescenta. “Há-de chegar uma altura em que a pressão é tanta e os níveis de stress são tão elevados que a pessoa deixa de ver o colega, o chefe ou o cliente como indivíduos”, conta. Um dos exemplos mais comuns são precisamente os médicos, uma das profissões mais afetadas pelo desgaste emocional e físico, que “deixam de ver o senhor José ou a dona Maria e passam a ver as pessoas apenas como os doentes.”

FONTE: jornaleconomico.sapo.pt

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Menu Jornal FM