Sucesso do turismo em Portugal é case study na Europa

Sucesso do turismo em Portugal é case study na Europa

Like
291
0
Sexta-feira, 19 Maio 2017
Notícias

Esforço do Turismo de Portugal para incentivar o investimento privado e a reabilitação da cidade do Porto são destacados

Mais hóspedes portugueses, mais turistas estrangeiros, mais proveitos totais e por aposento. Em 2016, Portugal voltou a bater recordes no turismo e já está a ser visto na Europa como exemplo de sucesso a estudar. A Comissão Europeia de Viagens (ETC na sigla inglesa) escolheu o Porto para falar de sustentabilidade e crescimento no turismo. E a escolha não f oi à toa: “As políticas adotadas em Portugal estão a resultar e devem ser vistas e seguidas nos outros países”, defende Peter de Wilde, presidente da ETC.

Ao Porto rumaram mais de uma centena de representantes das autoridades de Turismo de toda a Europa para pensarem nos desafios desta indústria. A ETC, à semelhança da OCDE e OMT, assume que o exemplo português pode ser clonado.

“Vemos que nos últimos meses Portugal cresceu de forma muito impressionante no turismo, tanto em número de chegadas como dormidas, e o retorno do investimento é igualmente muito positivo. O Turismo de Portugal está a fazer um bom trabalho na promoção”, afirmou ao DN/Dinheiro Vivo.

O que realça? “O Turismo de Portugal está a incentivar a parceria financeira entre o sistema público e a indústria privada de turismo. Eu gostaria muito de ouvir que isto acontece nos outros países e que é comum, mas não é, e Portugal mostra que é possível.”

No Porto, De Wilde encontrou outros exemplos que quer ver espelhados na Europa: “Vê-se um esforço local enorme para melhorar a cidade, para preparar os locais, melhorar os edifícios, as acessibilidades”, confessa De Wilde, que veio à procura da origem do sucesso de Portugal.

“Admito que Portugal, tal como Espanha, tenham numa primeira linha beneficiado da instabilidade social e política em alguns países, mas cada vez que alguém descobre o destino fica fã. Eu já adoro Portugal.”

A Comissão Europeia acredita que Portugal, pela falta de infraestruturas suficientes, acabe por se confrontar com uma quebra no crescimento desta indústria. Mas De Wilde desdramatiza e lembra que “Portugal ainda tem capacidade para crescer”, desde logo porque a ocupação dos hotéis vai pouco além dos 50%.

Portugal foi o segundo país que mais beneficiou do reforço das rotas aéreas (+25%), logo depois da Islândia (+54%), e é para a ETC um dos mercados que “mais poderá beneficiar de um dólar forte em 2017”, apesar das dúvidas relativamente ao apetite dos norte-americanos para sair do país.

Não é só: está também na linha da frente dos países que mais estão a beneficiar da chegada de estrangeiros, com um crescimento de 24,9%, o maior de todos, nos primeiros meses deste ano, depois de em 2016 “ter registado um crescimento de dois dígitos que se está a prolongar em 2017”.

A Comissão Europeia de Viagens lembra que estes bons resultados no arranque de 2017 – embora o INE dê conta de um ligeiro abrandamento resultante do calendário da Páscoa – são ainda mais otimistas, já que Portugal e Malta são destinos considerados de verão e o recente boom do turismo português indica já uma redução da sazonalidade.

E Portugal ainda tem capacidade para crescer mais, realça De Wilde, ao mesmo tempo que deixa um alerta: “É importante atrair investimento como Portugal está a fazer neste momento.”

FONTE: DIÁRIO DE NOTICIAS

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Menu Jornal FM